Capelania Hospitalar Espírita - entendendo além das palavras

Além das palavras

CAPELANIA HOSPITALAR ESPÍRITA – ENTENDENDO ALÉM DAS PALAVRAS

  • Experience of the Spiritist Hospital Chaplaincy Service: A Retrospective Study (2016) - www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26272098

  • Spiritist Hospital Chaplaincy in Brazil: 5 Years of Documented Experience (2018) - www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29188548

  • Experiência do serviço de capelania hospitalar espírita: um estudo retrospectivo - Publicado no Journal of Religion and Health - 2016

  • Capelania Hospitalar Espírita no Brasil, 5 anos de experiência documentada - Publicado no Journal of Religion and Health - 2018


    Marcelo Saad , Alexandre Anefalos, Fernando Lopes Figueiredo e Gilson Luis Roberto (médicos integrante da Associação Médico-Espírta do Brasil)

    Contato sobre este artigo: Marcelo Saad – www.msaad.org


    Apoio Religioso-Espiritual em Hospitais

    Quando o ser humano é acometido de profundo adoecimento que muitas vezes o leva a incursões frequentes no ambiente hospitalar, é tarefa difícil a estes manter o pensamento elevado, a fé e a esperança de melhores dias. Para alguns, apoiados em suas crenças e convicções religiosas, suportar certas adversidades nas enfermidades torna-se possível. Mas para tantos, o vai e vem da dor, não somente física, mas da alma, às vezes estando diante da terminalidade da vida sem saber a quem recorrer para amenizar seu padecimento, vencidos pelo esgotamento e pela dor, já se cansaram ou esqueceram de rezar.
    Diante do exposto, a partir da década de 90, um número crescente de trabalhos científicos, em especial através dos grupos de Harold Koenig e Christina Puchalski nos Estados Unidos, têm ressaltado a importância do estudo e da valorização da espiritualidade sobre a saúde mental e física das pessoas. Assim, utilizando-se de suas crenças e/ou práticas religiosas, muitos pacientes têm-se fortalecido para o enfrentamento das adversidades de suas enfermidades, reduzindo o sofrimento de eventos estressantes, ou tornando-o mais tolerável, quando entende a doença como um significado para reflexão interior e aprendizado.
    Corroborado pelas crescentes evidências científicas no estudo da espiritualidade, demonstrando menor tempo de internação hospitalar, diminuição de mediadores relacionados ao stress, como a interleucina IL-6, menores índices de depressão entre tantos outros impactos positivos, serviços de acreditação hospitalar, inicialmente nos Estados Unidos como o Joint Commission on Accreditation of Healthcare Organization (JCAHO), têm estimulado os Hospitais para incorporarem, juntamente aos seus avanços tecnológicos e terapêuticos da medicina tradicional, mecanismos facilitadores de acesso pelos pacientes e familiares às práticas religiosas/espirituais, bem como à valorização destas pelos profissionais da saúde, entendendo como fator aliado ao tratamento médico.


    Capelães e Capelania Hospitalar– Conceitos

    Nos EUA, Canadá e nos países da Europa, a Capelania Hospitalar é uma prática já consolidada e reconhecida, sendo cada vez mais valorizada e requisitada pelos hospitais devido às pesquisas científicas demonstrando a íntima relação entre a espiritualidade e a saúde do ser humano, bem como o impacto positivo do trabalho desenvolvido pelos capelães no sentido de aprimorar e fortalecer essa relação entre a valorização do atendimento religioso e as instituições de saúde.
    Ainda que a assistência espiritual não seja prerrogativa exclusiva dos capelães, estes são considerados os especialistas nessa área em virtude da formação teórica-prática que obtiveram. Nos EUA, por exemplo, o capelão é um profissional que faz parte da equipe interdisciplinar de assistência ao paciente, desenvolvendo atividades de apoio espiritual, realizando acompanhamento da evolução do paciente e registrando seu trabalho no prontuário, já estando estabelecidas formalmente suas atribuições e competências, sendo exigida uma formação rigorosa para alguém se tornar um Capelão Profissional reconhecido pela Association of Professional Chaplains.
    Do ponto de vista histórico e ecumênico os capelães podem ser descritos como sacerdotes, ministros religiosos, voluntários, capacitados e autorizados a prestar assistência e/ou realizar cultos em comunidades religiosas, colégios, universidades, hospitais, presídios, corporações militares, entre outros, com a missão de levar a fé, a esperança e o amor, procurando levar mensagens e orações de conforto espiritual nas angústias e sofrimentos, acolhendo também a seus familiares e cuidadores. Os capelães são capacitados na religião a que representam com intenso preparo e qualificação para que os permitam atuar de maneira discreta e respeitosa as normatizações internas dos Hospitais.
    Apesar do fato do termo capelania ser originalmente advindo a partir de uma herança católica, atualmente existem capelães de diversas denominações religiosas estando a denominação “capelania hospitalar” consolidada como um termo técnico, utilizado na área médica e hospitalar, estando associada à prestação de serviço religioso capacitado dentro dos em hospitais, sendo esse termo empregado e propagado em artigos científicos na literatura internacional, bem como na elaboração das leis vigentes em nosso país.
    No campo médico-científico a nível mundial, o termo capelania transcendeu totalmente sua origem, tendo hoje por exemplo, representantes capelães judeus (http://jewishchaplain.net/), islamitas (www.mihe.ac.uk) e hindus (www.hinduchaplaincy.com).


    Rumo ao Conceito de Capelania Hospitalar Espírita

    De acordo com o censo de 2010 no Brasil, o Espiritismo constitui-se na terceira filiação religiosa mais comum. Não obstante, até há pouco tempo, não haviam programas de assistência organizada, dedicados a pacientes espíritas em hospitais gerais brasileiros, motivando a elaboração e a organização de um projeto que permitisse aos trabalhadores espíritas, devidamente qualificados nos preceitos da doutrina, transpusessem os muros das casas espíritas para estarem ao lado de nossos irmãos necessitados. Assim, a exemplo do descrito anteriormente com outras denominações religiosas que identificaram a necessidade de ampliação de seu trabalho religioso para além de seus locais religiosos, o nome Capelania Hospitalar Espírita surgiu como uma forma de abranger a extensão e grandiosidade deste trabalho, suprindo a ausência prévia deste conceito, ao mesmo tempo em que busca respeitar o termo utilizado no meio médico e acadêmico para essa finalidade, favorecendo o diálogo entre as AMEs e as Instituições hospitalares dentro de uma abordagem técnica. Portanto, ratifica-se que a utilização do termo Capelania Hospitalar Espírita vem designar a assistência religiosa/espiritual oferecida por espíritas habilitados conjuntamente aos serviços de capelania hospitalares já existentes. Neste contexto, modelos espíritas assistenciais estruturados e padronizados para hospitais gerais vem sendo desenvolvidos pela AME nos últimos 6 anos, preparando os voluntários para que possam estar aptos a trabalhar e saber se portar perante o ambiente novo hospitalar, não somente pelos corredores, mas em especial, pelos leitos de enfermaria e dentro das unidades de tratamento intensivo, respeitando as normatizações e regulamentos do Hospital e da comissão de infecção hospitalar (CCIH).


    O Papel da Associação Médico-Espírita

    Se por um lado identifica-se uma demanda crescente de enfermos e familiares clamando pela assistência religiosa e espiritual, por outro lado, a contribuição do Espiritismo dentro das inúmeras possibilidades ensejadas no trabalho de capelania hospitalar ainda é muito restrita, suscitando profundas reflexões e um olhar direcionado a esta realidade.
    O trabalho de capelania hospitalar espírita já vem sendo desenvolvidos por algumas AMEs há muito tempo. A partir de 2012, por ação das AMEs, iniciou-se a implementação do trabalho de capelania hospitalar espírita no Brasil nas cidades de Piracicaba-SP, São Paulo-SP e Uberaba-MG, em hospitais de atendimento geral, propagando-se desde então com a realização de cursos e jornadas direcionadas ao conhecimento, esclarecimento, padronização e orientação dos “capelães espíritas” neste trabalho voluntário, amparado legalmente em acordo com a Lei do Voluntariado (n◦ 9608/1998).
    O Ideal médico-espírita completou 50 anos de existência institucional em março de 2018. Neste período, as Associações Médico-Espíritas têm sido formadoras de opinião, trazendo para o Brasil experiências alinhadas com o pensamento mundial. Na vanguarda da discussão sobre o termo Capelania Hospitalar Espírita, seus membros já publicaram artigos científicos na renomada revista médica internacional Journal of Religion and Health. O termo “Spiritist Chaplaincy”, que antes não era encontrado na literatura médica mundial, foi inaugurado a partir destas iniciativas:
    • Toward the Concept of ‘Spiritist Chaplaincy’ (2015) - www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25876161
    • Experience of the Spiritist Hospital Chaplaincy Service: A Retrospective Study (2016) - www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26272098
    • Spiritist Hospital Chaplaincy in Brazil: 5 Years of Documented Experience (2018) - www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29188548
    Atualmente, a AME-Brasil está reunindo as experiências de diversas AMEs regionais que já possuem um serviço de Capelania Hospitalar Espírita, com objetivo de compartilhar experiências regionais, incentivando outras AMEs a iniciarem nesta atividade. Além dos artigos científicos publicados acima descritos, um passo decisivo neste sentido foi o lançamento em 2016 do livro “Capelania Hospitalar Espírita – Teoria e Prática”, organizado pelo Dr. Paulo B. Novaes.
    Desta forma a AME-Brasil está trazendo sua contribuição ao Movimento Espírita para o debate e o aprimoramento quanto ao entendimento e ao atendimento em capelania hospitalar, colocando à disposição sua experiência no assunto, o conhecimento dentro da Medicina, das normatizações intra-hospitalares e das detalhadas orientações para cumprimento das comissões de controle de infecção hospitalar (CCIH), em especial nos cuidados em unidades de terapia intensiva (UTIs), através do fomento à seminários e cursos de capacitação para as todas Federativas e Casas Espíritas interessadas em implementar ou se qualificarem nessa tarefa.

    Conclusão

    O termo capelania já transcendeu sua origem católica para abranger a assistência religiosa hospitalar a qualquer denominação. Este texto descreveu o desenvolvimento do termo Capelania Hospitalar Espírita, explorando seu significado, desenho, preceitos e desafios. O futuro é bastante promissor para a consolidação deste conceito, que vem atendendo satisfatoriamente uma demanda reprimida de doentes, familiares e seus cuidadores. Outras denominações religiosas estão à frente do Espiritismo no desenvolvimento de seus respectivos conceitos e tarefas em capelania hospitalar. Esperamos que este texto colabore para agilizar o progresso desta assistência caritativa na Pátria do Evangelho, com a união de todos espíritas diante de um bem maior.