PALAVRA DA DIRETORIA

A origem da Vida em Geral perde-se na esteira do tempo. O milagre da vida guarda a sua complexidade e origem no Criador, “Causa primária de todas as coisas e Inteligência Suprema do Universo”, sendo compreendida e definida por cada estudioso de acordo com a sua capacidade de entendimento ao vê-la e senti-la. A nossa proposta é considerá-la em seu aspecto humano e consciente, possuidor da capacidade de sentir e de expressar um conjunto de emoções humanas genuínas.

Os tratados de embriologia médica dizem que o início da vida humana começa na união do óvulo com o espermatozoide, ou seja, na concepção, caracterizando um evento crítico de descontinuidade porque marca a constituição de uma nova individualidade biológica, o zigoto, no qual já está fixada todas as bases do indivíduo adulto. Sendo assim, não é possível interromper algum ponto do continum – zigoto, feto, criança, adulto, velho – sem causar danos irreversíveis ao bem maior, que é a própria vida.

O livro dos Espíritos afirma, na questão 344, que a união da alma com o corpo físico começa na concepção, e, na questão 132, que a encarnação objetiva proporcionar ao Espírito a oportunidade de alcançar a perfeição, enfrentando as vicissitudes da vida. André Luiz, também nos esclarece, que o Ser viaja no rumo da elevada destinação que lhe foi traçada pela Espiritualidade Superior, elaborando, gradativamente, com os fios da experiência, a túnica da própria exteriorização, segundo os molde mental que é portador, obedecendo aos princípios das leis de ação, reação e renovação em que automatiza as próprias conquistas na esteira do tempo, através das múltiplas existências e que, de todos os recursos que a providência divina nos concede, o corpo físico é o mais importante deles, por caracterizar-se como sendo o refúgio em que obtemos no mundo o valioso ensejo de progredir e aperfeiçoar a nós mesmos, na conquista das experiências, as quais, são fixadas pelas lutas cotidianas.

Inúmeras pesquisas teem demonstrado a imortalidade da Alma e as conseqüências espirituais após a morte biológica. Entre elas citamos o fenômeno mediúnico, as materializações de Seres Espirituais, as visões no leito de morte, as Experiências de Quase Morte (EQM), as Regressões à Vidas Passadas, e outras. Portanto, a vida é um bem indisponível, outorgada pelo criador, e ninguém tem o direito de extingui-la, mesmo diante das dores e do sofrimento. Daí, a mensagem de Jesus, recomendando-nos o Amor incondicional, fornece ao homem forças para superar as dificuldades e suporte para engrandecimento da vida.

Dr. Carlos Roberto de Souza Oliveira - Presidente da AME Campina Grande