Bebê sem cérebro receberá pensão do INSS
(22/08/07 - Estado de São Paulo)



A menina Marcela de Jesus Ferreira, que nasceu anencéfala (sem cérebro), em 20 de novembro de 2006, em  Patrocínio Paulista, na região de Ribeirão Preto, Estado de São Paulo, vai receber, a partir de setembro, pensão do governo por ser portadora de deficiência. O benefício, no valor de um salário mínimo (R$ 380), será pago pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Marcela completou nove meses de vida anteontem e é um caso raro na medicina, pois a previsão de vida para esses casos é de poucos dias ou horas. Apesar da anomalia, a menina tem parte do encéfalo, o que a mantém viva. Ela é cuidada pela mãe, Cacilda Galante Ferreira, numa casa da família, na cidade, enquanto os demais parentes, o pai e duas irmãs, moram num sítio.

Cacilda requisitou o benefício assistencial a portador de deficiência para o INSS em 29 de junho. Ela recebeu a visita da perícia do órgão no dia 6. No sábado, uma carta chegou avisando que a menina receberia o benefício a partir de setembro. A pensão é intransferível e não poderá ser herdada pelos parentes em caso de morte da beneficiária.

Ontem, a menina recebeu algumas vacinas em casa, e hoje será pesada novamente na Santa Casa de Patrocínio Paulista. Na última pesagem, Marcela estava com 7,5 quilos. Ela mede 62  centímetros.

A incidência de anencefalia é de um caso em cada mil bebês. Segundo o neurocirurgiã o pediátrico Hélio Rubens Machado, da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) de Ribeirão Preto, há casos registrados de crianças nessas condições que vivem até a adolescência. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.