BULLYING, O TERROR SILENCIOSO

(matéria publicada na Folha Espírita em junho de 2005)

Uma abordagem sobre o fenômeno

O termo bullying surgiu na Noruega, na década de 80, e é originário da palavra inglesa bully, que quer dizer ameaçar, intimidar, amedrontar, tiranizar, oprimir, maltratar. O primeiro a relacionar a palavra ao fenômeno foi Dan Olweus, professor da Universidade da Noruega. Ao pesquisar as tendências suicidas entre adolescentes, Olweus descobriu que a maioria desses jovens tinha sofrido algum tipo de ameaça e que, portanto, bullying era um mal a combater.

Embora a denominação seja recente, o fenômeno é mais antigo que a própria escola e se repete continuamente em todo o mundo. Não é restrito a uma instituição específica. Pode ocorrer em escolas de todo o tipo: primárias, secundárias, rurais, públicas ou privadas. Onde há uma criança ou um jovem sofrendo qualquer tipo de pressão psicológica, atitude agressiva intencional e repetida, sem motivação evidente, o fenômeno está presente e precisa ser tratado com a seriedade que merece.

O bullying pode parecer uma brincadeira de amigos pela sutileza com que é conduzido pelos agressores. O que o distingue das brincadeiras próprias do desenvolvimento infanto-juvenil e regras de boa convivência é a crueldade com que é exercido. As vítimas, em geral, são crianças e jovens que apresentam algumas diferenças em relação ao grupo ao qual estão inseridas. Por sua vulnerabilidade, passividade, falta de recursos ou habilidade para reagir, são os alvos mais visados pelos agressores. Os resultados do desequilíbrio emocional que passam a viver os tornam inseguros com relação à auto-estima. Impedidos de pedir qualquer tipo de ajuda, chegam a interiorizar os “castigos” que lhes são impostos, julgando-se merecedores deles. Simulam doenças, que acabam tornando-se verdadeiras, entram em estados depressivos deploráveis e perdem o prazer de viver. O problema, em grande parte dos casos, arrasta-se pelo resto da vida, tornando-os adultos com sérios problemas no trabalho, vida afetiva e social.

Com o avanço tecnológico, outra forma de bullying cresce vertiginosamente. É o “bullying digital”. O agressor ultrapassa os muros da escola e invade a casa do agredido através da internet. Ferramentas como blogs, flogs, chats e e-mails tornam esse tipo de intimidação mais humilhante publicamente. Amplia o universo de gozações e fotos constrangedoras, que passam a circular em um público muito maior. Esse público, por sua vez, testemunha silenciosamente, pois mesmo afetado por esse clima de tensão, torna-se inseguro e amedrontado com o fato de poder se tornar a próxima vítima.

Estatísticas
Estudos recentes mostram que 7% a 35% das crianças em idade escolar, em todo o mundo, sofrem com o problema e passam a fazer parte das estatísticas de violência. Em matéria publicada no jornal espanhol El Pais, em 1977, na Grã-Bretanha, o bullying foi o responsável pelo suicídio de 766 menores. Nos Estados Unidos, o fenômeno chegou a ser apontado como a causa principal da morte de 13 alunos da escola Columbine, na cidade de Littleton, em 1999. Na Inglaterra, no começo do ano passado, o suicídio de Jevan Richardson, de 10 anos, foi atribuído ao bullying. O Brasil não fica fora dessas estatísticas. Em janeiro de 2003, o adolescente Edimar de Freitas, de 18 anos, após ferir seis colegas, um zelador e a vice-diretora, suicidou-se, na pacata cidade de Taiuva, interior paulista, após 11 anos de humilhações e sofrimentos na escola. Em fevereiro de 2004, na cidade de Remanso, interior baiano, um adolescente de 17 anos, vítima das mesmas humilhações, matou seu principal agressor (um garoto de 13 anos), a secretária do curso de informática, feriu três pessoas e só não conseguiu suicidar-se, como havia planejado, por ter sido dominado por um colega.

Porém, não são somente os agredidos que merecem cuidados especiais. Os agressores, na sua grande maioria, não cometem os delitos por pura maldade. Precisam ser identificados e tratados. São indivíduos que apresentam problemas psicológicos e sociais, decorrentes de traumas e experiências negativas durante a infância ou juventude. Em geral, sentem dificuldade de relacionamento com outras crianças, gostam de experimentar continuamente a sensação de poder, sofrem ou sofreram humilhações e abusos de toda ordem por parte dos pais ou outros adultos encarregados de sua educação ou cuidados, ou vivem sob constante e intensa pressão para que tenham sucesso em suas atividades. Sem cuidados especiais, podem desenvolver características que os levem à delinqüência e à criminalidade.

Inúmeros programas estão sendo desenvolvidos, por educadores, psicólogos, psicopedagogos e médicos, para a redução do problema, porém há uma unanimidade entre todos: só com união e interatividade família–--escola o mal pode acabar. No que diz respeito à escola, professores e orientadores educacionais devem incentivar e promover discussões sobre o assunto e dar oportunidade para os alunos expressarem seus sentimentos. Profissionais de educação devem ser treinados para que tenham consciência da gravidade do problema, pois, não muito raramente, acabam se envolvendo e, sem perceber, chegam até a reforçar e legitimar a violência, usando apelidos e rindo junto com as brincadeiras alheias.

No caso da família, o apoio deve ser irrestrito, pois é no seio familiar que se inicia o processo educacional. Lembrando a orientação dos espíritos superiores em O Livro dos Espíritos: “A infância é um período de repouso do espírito”. “Encarnado, com o objetivo de se aperfeiçoar, o espírito, durante esse período (infantil), é mais acessível às impressões que recebe, capazes de lhe auxiliarem o adiantamento, para o que devem contribuir os incumbidos de educá-lo”. Emmanuel, no livro O Consolador, orienta que até os 7 anos de idade o espírito ainda se encontra em fase de adaptação para a nova existência e recorda mais vivamente o mundo que deixou para trás, tornando-se, desse modo, mais suscetível de renovar o caráter e moldar novos caminhos.

Segundo a educadora e pesquisadora Tânia Zagury, “a família deve apoiar a escola e trabalhar a questão dos limites com segurança, afirmação ética dos filhos, a não-aceitação firme ao desrespeito aos mais velhos e mais fracos. Deve reassumir o quanto antes o seu papel de formadora de cidadãos, abandonando a postura superprotetora cega e a crença de que amar é aceitar toda e qualquer atitude dos filhos, satisfazer todos os seus desejos, não criticar o que deva ser criticado e nunca responsabilizá-los por atitudes anti-sociais. Enquanto é tempo...”.