EVIDÊNCIAS DO PODER DA ORAÇÃO DESAFIAM
O PARADIGMA MÉDICO

(matéria publicada na Folha Espírita em setembro de 2005)

Folha Espírita entrevista o Dr. César Geremia (AME-RS), endocrinologista pediatra

Especialista em Pediatria e mestre em Medicina com ênfase em Endocrinologia Pediátrica, o gaúcho César Geremia, 41, tratou do tema Ciência e Espiritualidade no V Congresso Nacional da Associação Médico-Espírita do Brasil (Mednesp), de 26 a 28 de maio, em São Paulo (SP). Abaixo, os principais pontos abordados:

Folha Espírita – As pesquisas sobre a eficácia da prece são atuais?
César Geremia – Desde o final do século 19 já existem dados relevantes sobre a importância da espiritualidade na saúde humana. Muitos desses resultados passaram despercebidos ou não foram valorizados. Atualmente, um número expressivo de instituições governamentais e privadas de prestígio, como o National Institute of Health, tem patrocinado grandes levantamentos epidemiológicos sobre essa questão. E os resultados são inquestionáveis: a religiosidade afeta favoravelmente inúmeros parâmetros de saúde e de qualidade de vida. Esse fato, com grandes implicações médicas, sociais e antropológicas, não pode mais ser negado, mas não prova a existência de Deus, nem a existência de uma realidade espiritual. Muitos dos benefícios da religiosidade na saúde humana podem ser explicados por fatores convencionais como: alívio do estresse pelo suporte psicossocial que os grupos religiosos oportunizam; diminuição de fatores de risco relacionados a diversas doenças, como álcool e fumo; adoção de hábitos saudáveis; e mobilização de recursos fisiológicos já bem estudados pela psiconeuroimunologia. Mas há algo muito precioso em meio a tudo isso: um número crescente de publicações, em revistas conceituadas, tem abordado o efeito da prece intercessória na saúde humana. À primeira vista, pode parecer algo de pouca importância, pois todos nós, que oramos, sentimos a ação benéfica da prece sobre o corpo e a alma, sem necessitarmos de provas adicionais. O que tem então de extraordinário esse fato? Os estudos sobre a ação da prece a distância revelam que há algo, além dos agentes físicos conhecidos, capaz de exercer ação mensurável sobre outro ser humano e sobre diversos sistemas biológicos e físicos (cultura de fungos e bactérias, germinação de sementes, eventos físicos aleatórios, etc.). Essa força não está condicionada ao tempo e ao espaço; é movida pela intenção; chega ao seu destino de forma instantânea e precisa. É a realidade transcendente da vida que se descortina aos olhos do observador atento e que ama a verdade. Ao nosso ver, as pesquisas nessa direção construirão a ponte definitiva entre o físico e o extrafísico e servirão de base para uma nova compreensão da realidade em que vivemos e para a revalidação da cosmoética fundamentada no amor e na fraternidade. Em suma, as evidências que demonstram a eficácia da prece intercessória na saúde humana desafiam o paradigma médico oficial e a visão mecanicista de mundo que ainda predomina no meio científico. Esses estudos apontam para uma realidade transcendente da vida e do ser.

FE – Que contribuições nos trazem a Física moderna e a Neurofisiologia na compreensão do mecanismo de ação da prece?
Geremia – A Física moderna tem descortinado uma realidade física absolutamente distinta da realidade que os sentidos somáticos percebem. No universo quântico, todas as coisas – pessoas, seres, astros, mundos, o infinitamente pequeno e o infinitamente grande – estão conectados de forma instantânea. A velocidade da luz não mais impõe limites à troca de informações e à mútua influência entre tudo e todos. Essas novas concepções da Física, muitas já comprovadas experimentalmente, mostram a possibilidade de múltiplas dimensões no universo e dão respaldo à Doutrina Espírita, que postula que todos os fenômenos anímico-mediúnicos são fenômenos naturais, que obedecem a leis bem definidas, e que devem ser estudados como os demais fenômenos da natureza. A Neurobiologia, por sua vez, mostra que o sistema nervoso, ao longo de uma evolução multimilenar, desenvolveu estruturas cerebrais específicas, destinadas à experiência religiosa e aos fenômenos espirituais em geral. Quando oramos ou entramos em êxtase meditativo, certas regiões encefálicas são ativadas, enquanto outras entram em repouso relativo. Isso nos mostra que estamos desenvolvendo instrumental orgânico progressivamente mais eficiente para vivenciarmos
o Divino.

FE – Por que a dúvida persiste?
Geremia – Entre a dúvida e a certeza fundamentada na razão existe um caminho de obstáculos que todos nós, de alguma forma, já percorremos ou estamos percorrendo. O maior obstáculo é o preconceito: científico e religioso. Temos uma tendência inata a nos apegar a valores, conceitos e pressupostos que, no seu conjunto, formam nossa visão de mundo. Enxergamos, interpretamos e julgamos pelas lentes do já conhecido e familiar. Qualquer coisa que possa ameaçar a integridade e a segurança desse mundo que construímos dentro de nós gera medo e reação em contrário. A dificuldade em aceitar os fenômenos espirituais como legítimos por parte da ciência oficial deve-se, em parte, ao medo de retrocesso ao obscurantismo da Idade Média e à tutela dogmática das religiões institucionalizadas que, como todos sabemos, retardaram enormemente o avanço e a difusão do conhecimento. Existem também dificuldades metodológicas inerentes ao estudo dos fenômenos espirituais, que muitas vezes não apresentam a reprodutibilidade fácil que todo investigador espera. No entanto, o tempo e o trabalho infatigável dos que amam a verdade, em todos os campos do conhecimento, independentemente de credo, farão com que os princípios espíritas, universais que são, sejam progressivamente legitimados no âmbito da Ciência e da Filosofia. Um novo alvorecer se aproxima.